20/04/2018 (75) 99274-4456

Geral

Ifarma

Pressa de Moro para prender Lula alimenta tese de perseguição

Por Portal TNews 06/04/2018 às 20:04:02

A pressa do juiz Sergio Moro para prender Lula alimentou, nas últimas horas, o discurso de perseguição ao ex-presidente.

O juiz assinou a ordem de prisão ontem à tarde, quando a defesa ainda poderia apresentar um último recurso ao Tribunal Regional Federal da 4ª Região.

Os advogados de Lula tinham até a próxima terça, dia 10, para formular os novos embargos de declaração, conhecidos como "embargos dos embargos".

Ao ordenar que o petista se apresentasse à Polícia Federal em 24 horas, Moro surpreendeu até o presidente do TRF-4, Carlos Eduardo Thompson Flores Lenz.

Ontem de manhã, o desembargador informou que a Corte ainda levaria cerca de 30 dias para julgar os novos embargos. Só então, Lula poderia ser preso.

Os "embargos dos embargos" costumam ser apresentados apenas para adiar a conclusão do processo, e dificilmente seriam aceitos pelo TRF-4.

Ainda assim, para evitar contestações, a atitude mais cautelosa para o juiz seria esperar até que os recursos fossem negados pelo tribunal.

Ao atropelar esta etapa, Moro se expôs a novas críticas de advogados e acusações de perseguição política ao petista.

Isso já havia ocorrido duas vezes, em 2016, quando ele liberou áudios de Lula com a ex-presidente Dilma Rousseff e ordenou a condução coercitiva do ex-presidente.

VELOCIDADE

Outro fato deixa claro que Moro tinha pressa para decretar a prisão do ex-presidente. 

Às 17h31 de ontem, ele recebeu um ofício do juiz federal Nivaldo Brunoni, que substitui o relator do caso no TRF-4, informando que não haveria mais obstáculos para o início do cumprimento da pena.

Depois disso, Moro levou apenas 19 minutos para ordenar a prisão. Sua decisão foi publicada às 17h50.

Fonte: O Globo

comentários