13/04/2021 075 99274-4456

Santo Estêvão

Ifarma

Associação Comercial "clamou" mas comércio de Santo Estevão fechou neste sábado; Feira Livre teve horário reduzido

Por Redação TNews 13/03/2021 às 18:03:35


A ACSE (Associação Comercial de Santo Estevão) protocolou na última quarta - feira, 10, um pedido de reabertura do comércio, encaminhado ao atual prefeito do município de Santo Estêvão, Rogério Costa.

Continua depois da publicidade




"A ACSE - Associação Comercial de Santo Estevão, entidade sem fins lucrativos e legitima representante do comércio de Santo Estêvão, VEM CLAMAR a vossa excelência, autoridade máxima de nosso município, que diante da Pandemia do Corona vírus e da grave crise econômica que começa a se instalar em nossa cidade, estado, país e em todo mundo, seja uma aliada do setor produtivo que move a economia e que terá muitas baixas caso o poder público fique indiferente.", diz o texto.


No ofício, associação afirma que "o número de infectados dos colaboradores que atuam no comércio é baixo", sendo assim não existe justificativa para o fechamento do comércio aos sábados. O texto ainda chama a atenção para um possível "colapso na economia" devido o risco de demissões em massa e falência das pequenas e médias empresas.

Ainda segundo a ACSE a prefeitura de Santo Estêvão não respondeu o ofício. O comércio fechou por ordem do decreto estadual às 18h da sexta-feira 12. A Feira Livre teve horário reduzido, com fechamento às 14h.



Leia o ofício na íntegra:

Santo Estevão, 10 de março de 2021 Ilmº Sr Rogério Costa Prefeito Municipal Nesta Ref.:

PANDEMIA DO CORONAVIRUS (Covid-19) e a abertura do Comércio

A ACSE - Associação Comercial de Santo Estevão, entidade sem fins lucrativos e legitima representante do comércio de Santo Estêvão, VEM CLAMAR a vossa excelência, autoridade máxima de nosso município, que diante da Pandemia do Corona vírus e da grave crise econômica que começa a se instalar em nossa cidade, estado, país e em todo mundo, seja uma aliada do setor produtivo que move a economia e que terá muitas baixas caso o poder público fique indiferente. Antes de tudo destacamos que a entidade aqui nominada é defensora da VIDA e da SAÚDE de TODA a população em 1º lugar. Reconhecemos que existe um vilão real a ser enfrentado, que é o Corona vírus, mas é necessário destacar que, NÃO EXISTE um panorama preciso de como este vírus está em nossa cidade e nem uma formula certa de como combate-lo e por outro lado trazemos a preocupação também real com a SAÚDE ECONOMICA de nossa cidade e o enorme risco de termos mais vitimas pelo colapso da economia do que pela Pandemia do Covid-19. Diante do fato de que o número de infectados dos colaboradores que atuam no comércio é baixo. Porém vivemos o enorme risco de DEMISSÕES EM MASSA, que colocaria grande parte da população em situação de risco econômico. Diante do enorme risco de termos empresas fechando, especialmente as pequenas e médias que teriam que decretar falência. Clamamos a Vossa Excelência ABERTURA DO COMÉCIO DE SEGUNDA A SÁBADO com total controle das empresas quanto às medidas de proteção à saúde dos clientes e colaboradores. Na ânsia de colaborarmos com o combate à Corona vírus e sua propagação e cientes de que este é um esforço de todos para superarmos esta crise, reafirmamos já ser protocolo entre a grande maioria dos empresários de Santo Estêvão trabalhar de forma diferenciada neste período de Pandemia mantendo e adotando as medidas cautelares a seguir:

1) Reforçar a higiene das lojas utilizando água sanitária ou cloro para desinfecção dos ambientes;

2) Disponibilizar álcool 70% para uso dos clientes e funcionários;

3) Disponibilizar espaço para lavar as mãos;

4) Obrigar os colaboradores a usarem os EPIs (luvas e máscaras) com A ciência dos riscos acordada em documentos;

5) Dispensar das atividades os funcionários do grupo de risco, sem prejuízo de seus salários;

6) Manter a equipe reduzida trabalhando no sistema de rodízio;

7) Treinar a equipe com base no manual de boas práticas confeccionado pela , ACSE e Prefeitura;

8) Comunicar na porta das empresas e nas mídias sociais como será o atendimento das pessoas dos grupos de risco;

9) Priorizar os atendimentos delivery;

10) Atender um número limitado de clientes por vez;

11) Em situações de filas sinalizar os espaços respeitando a distância de dois metros por pessoa. Acreditamos que a extensão no horário de atendimento, reduz sensivelmente o acumulo de pessoas em horário de atendimento que somadas às medidas protetivas e preventivas podemos oferecer a sociedade um comércio seguro, combatente ao Corona vírus, mas sobrevivente.

Ainda existirão baixas, tanto entre empregados como entre empresas, mas elas serão bem menores do que no caso do comercio ficar fechado por estes Lockdowns em que as contas continuam vencendo e nenhum dinheiro está entrando. Certos de contarmos com vossa compreensão e apoio em prol do comércio e de TODOS OS COLABORADORES QUE ESTÃO COM SEUS EMPREGOS EM RISCO, desde já agradecemos e despedimo-nos.

Atenciosamente Elna Ticiane Ricardo Magalhães Franco

Levi Fernandes Serra dos Anjos Presidente Vice Presidente


Aumento do número de casos

Segundo os dados divulgados em Boletins Epidemiológicos, o número de infectados continua subindo em Santo Estêvão. A SESAU informou que pacientes estão sendo regulados para várias cidades do estado e SESAB também divulgou que leitos de UTI estão lotados em todas as unidades de referência, o que reforça, segundo o governador Rui Costa, as medidas rígidas de restrição de atividades comerciais.



Recomendação do Ministério Público


No dia 8 de março o ministério público estadual por meio da promotora de Justiça Suzilene Maria Ribeiro Sousa Marques, recomendou aos prefeitos dos Municípios de Santo Estêvão, Antônio Cardoso e Ipecaetá que assegurem o cumprimento do decreto estadual que institui medidas restritivas na maior parte do Estado da Bahia.

Endereçadas aos prefeitos Rogério Costa, de Santo Estêvão; Elcydes Piaggio de Oliveira Júnior, de Ipecaetá e Maria de Lourdes Carvalho Moura Bastos, de Antônio Cardoso; as recomendações pedem que os prefeitos promovam medidas para fiscalizar o cumprimento do decreto e de suas eventuais atualizações ou prorrogações, bem como que adotem as sanções administrativas previstas juntos aos estabelecimentos comerciais que descumprirem o decreto.

Pede ainda que os prefeitos se abstenham de editar medidas que flexibilizem as normas.

As recomendações levaram em conta a atual situação epidemiológica na Bahia, além do alto índice de ocupação de leitos nas mais diversas unidades de saúde das redes pública e particular.

Fonte: Redação Trombone News

Comentários